Vai com fé

Publié le par alinemariane

Confesso que eu tenho uma certa inveja dos ateus. Tem momentos em que eu adoraria não acreditar em nada. Seria tão mais simples pensar que a gente nasce e morre, que acontecem coisas incríveis no meio disso e que tudo não passa de um complexo funcionamento físico químico social econômico biológico...

Mas não. Sou uma pessoa que acredita. Creio em Deus e tudo o que vai junto: amor, fé, missão de vida, nascimento que não é um simples começo nem a morte um simples fim. O tal funcionamento complexo é ainda mais complexo porque incorpora o desconhecido. Que tipo de pessoa se enrola a querer explicar o inexplicável? Essas que acreditam, eu por exemplo (não vou usar "crente" porque essa expressão no Brasil tem toda uma conotação diferente. Uma pena para o tamanho do meu texto!).

Esse tipo de pessoas que precisam acreditar em alguma coisa tem uma forte aliada para suas questões de crença: as religiões. Vale dizer que as religiões não são formadas apenas por pessoas que acreditam e nem todas as pessoas que acreditam têm religiões. Eu sou do tipo que tem.

Tenho religião mais ou menos do mesmo jeito que tenho os outros assuntos que não se discute: partido político e um time de futebol. Sou defensora e crítica, torcedora que acompanha alguns jogos, que vira a casaca, segundo a conveniência. Faz tão parte da minha personalidade quanto não concordar e seguir na discussão ou não olhar o cardápio de sobremesas pra não ter vontade. Uma mistura de teimosia e inércia.

O fato de ser uma pessoa que acredita e de fazer parte duma religião me deixa especialmente sensível ao desrespeito: não me venha falar mal dos muçulmanos, praticar um rito indígena sem conhecimento ou culpar os ateus! Qualquer tipo de preconceito religioso me dói profundamente.

Geralmente sou muito curiosa e discreta. Adoro saber da religião e da não-religião dos outros, respeito profundamente. Raramente comento da minha. Minha religiosidade não interfere na vida de ninguém, nem do meu cherido, que acorda antes de mim de qualquer jeito, mesmo domingo de manhã quando vou à missa.

Porém há momentos em que meu lado religioso domina. Momentos em que eu simplesmente não sei o que seria se não fosse a fé, se não acreditasse em Deus, no amor, no destino, no incompreensível. Crer me ajuda a aceitar, a seguir. Porque em alguns casos a revolta e a dúvida não me motivam, mas me afogam. Como nessas últimas semanas. Como lidar com a dor e o medo, com a sensação de impotência? Como transformar a perda em algo positivo, triste sim, mas do bem?

Nessas horas eu adimiro ainda mais os ateus... E concluo que eu não poderia ser um deles!

PS: Assunto que já pensei e prometi escrever e nunca nem comecei. A quaresma, que começou ontem, é um momento propício, pois também mistura de tristeza e força.

Publié dans em português

Commenter cet article

Mariana 06/07/2011 17:50



Que texto maravilhoso! Identifiquei-me muito com ele e fiquei feliz em encontrar pessoas que se sentem como eu! Continue escrevendo...Abraços!



Helena 17/03/2011 23:03



Estou que nem a Luci. Acredito em algo, na  verdade, mas não sei bem o que é. Não me identifico com nenhuma religião, mas talvez não tenha parado para estudar e entender nenhuma delas. A
único que conheço é a católica, que não me diz mais nada. 



caso me esquecam 14/03/2011 20:46



"Porém há momentos em que meu lado religioso domina. Momentos em que eu simplesmente não sei o que seria se não
fosse a fé, se não acreditasse em Deus, no amor, no destino, no incompreensível. Crer me ajuda a aceitar, a seguir"


me pergunto entao porque tu tem inveja de ateu. isso que tu consegue eh o que todo mundo quer. lembrei de um professor meu da
faculdade que disse justamente o contrario: "queria ter uma religiao, acreditar em algo no qual eu pudesse me apoiar". eu tou entre as duas categorias. nem acredito em deus, nem tenho religiao,
nem seria capaz de dizer que sou ateia, que nao existe nada de maior e tal. antes de ficar doida, eu penso que eu nao preciso ter uma opiniao sobre essas coisas. que eu posso mudar e observar
tudo... e minha vida continuara a mesma. :)