Esse não é um post sobre estereótipos

Publié le par alinemariane

ccfd bogota<< Essa nao é uma mae na miséria.
Eh uma mulher que alfabetiza crianças em Bogota.

>> Faz um tempinho que vi esse e outros cartazes nos pontos de onibus de Angers. Até tirei foto e prometo atualizar esse post quando o disco rigido voltar do Sudao com o Loic. Como essa campanha me tocou em varios aspectos e eu sou uma indecisa por natureza, acabei nao escrevendo nada e me esquecendo do assunto. Revi a propaganda numa revista e me decidi, ja que um tema como esse nao poderia passar batido!


Campanha "O sul merece mais que nossos clichês"

ccfd-sao-paulo.jpgO Comitê Catolico Contra a Fome e pelo Desenvolvimento se diz "a primeira ONG francesa de desenvolvimento". Apresentam-se na forma da sigla CCFD Terre Solidaire que, convenhamos, é neutro e bem mais atrativo num pais que preza pela laicidade.

A cada quaresma, essa ONG elabora uma campanha tematica, mais ou menos como a Campanha da Fraternidade da CNBB no Brasil. A campanha do CCFD Terre Solidaire desse ano acaba essa semana e tem como tema "O sul merece mais que nossos clichês". 


<< Essa nao é uma menina de rua de Sao Paulo.
Eh uma moça que criou uma cooperativa.



Frequentemente, eu simplesmente nao entendo as propaganda aqui na França. Seja na TV, em revistas ou nos cartazes de rua, leio, releio, vejo, revejo e nao entendo. Nao sei se é meu francês que nao é 100%, se me falta alguma referência cultural ou se a peça é mal feita mesmo. Enfim, prefiro a propaganda brasileira.

magritteEssa falta de compreensao é mais evidente em campanhas institucionais. No caso desse cartaz, juro que demorei pra entender que nao era uma piada. E mesmo a referência à Magritte ("Ceci n'est pas une pipe") nao me pareceu de bom tom. Enfim, um fiasco atras do outro!

Para começar, usar "o sul". Esse é outro termo que demorei pra me acostumar. Na França, dizer "o sul" significa o mesmo que "os paises em desenvolvimento" ou o policamente incorreto "os pobres". Nao importa que o pais mais pobre do mundo, o Niger, esteja 100% ao norte do equador ou que a Australia e (por que nao?!) o Brasil estejam na regiao meridional do globo.

ccfd africaUsar justamente essa expressao clichê para dizer que "merecem mais que nossos clichês" me parece contraditorio até para o proprio Magritte!

Posso imaginar, brasileiramente, o atendimento da agência apresentando e defendendo essa campanha: "Ao brincar com a contradiçao, cria-se a reflexao. Quando as pessoas olham a foto, elas imaginam uma coisa; quando lêm, percebem que nao é, e assim vao mudar sua maneira de agir" bla bla bla



<< Esse nao é um africano miseravel.
Eh um criador de negocios.



Mas nao! Reforçar clichês so tem como resultado mais clichês! E mais estereotipos quer dizer mais preconceitos, mais discriminaçao! Ou vocês acham que anos e anos de piadinhas machistas ou racistas contribuiram para a voz das minorias?


ccfd-calcuta.jpg
Ver uma publicidade que mostra pessoas morenas, com roupas de calor rasgadas e descalças seguidas da negativa-afirmativa "Ceci n'est pas" o que todo mundo imaginou, soa para mim reforçar que quem vive em pais em desenvolvimento é tudo a mesma coisa. Como "sulista", posso afirmar que nao.

A ideia por tras da propaganda é muito boa. Sem duvida, todo mundo merece mais que os estereotipos que se apresentam. Porém foi "um tiro pela culatra", que nao atingiu o alvo e, pior, feriu o atirador. Eh preciso uma mudança de atitude! O argumento de que "rir para refletir" ou "reforçar para mudar" nao funciona nesse caso.



>> Esse nao é mutilado de Calcuta.
Eh um defensor dos direitos dos intocaveis.


Enquanto isso no Brasil...


Cartaz_CF2010.jpg

O equivalente em terras brasileiras tinha boas intençoes mas, segundo o que me parece, também nao foi feliz em sua estrategia.

Pelo menos nao me encheram de vergonha alheia como em 2008, quando a CNBB decidiu "discutir" a controversa posiçao contra o aborto. Se tomar como referência apenas o historico da Campanha da Fraternidade da CNBB, a localizaçao politica da Igreja Catolica no Brasil é uma confusao so, impossivel saber se jogam na direita ou na esquerda. Se bem que esse nao é um problema so da Igreja...

Enfim, super valido abrir a discussao para "uma nova economia contra a exclusao", mas a frase biblica "Vocês nao podem servir a Deus e ao Dinheiro" como chamada mais afasta que atrai possiveis interessados no tema...



E eu com isso?

Nao, eu nao vou ter mais uma crise de identidade. Desisti. Chega. Posso refletir sobre campanhas institucionais, criar as minhas proprias, dar uma maozinha a amigos, fazer bicos. Entretanto isso nao significa que voltei a trabalhar, estudar ou pensar comunicaçao. Nao, nao nasci para ser comunicadora, detesto reforçar estereotipos ou criar verdades inexistentes. Parei.

Acho que foi isso que me fez ficar "bloqueada" com esse post: medo de ser vista como a profissional de comunicaçao que nao sou. Nao sou mais. Esse nao é um post sobre isso.

Publié dans em português

Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :

Commenter cet article

Raiza 31/03/2010 21:34



Eu sou a única que gostei da propaganda?


Achei que passa uma imagem de "Eles não são coitados,são pessoas que agem pra tranformar a realidade não tão boa em que vivem".Concordo que usar "O sul" é realmente um clichê,mas não acho que
isso estrague a propaganda como um todo.


Quanto à propaganda brasileira,essa realmente foi ruim.Como você disse,mais afasta que atrai colaboradores.



Maíra 28/03/2010 17:30


Lamentável mesmo... acho que eles não conseguiram de fato fechar bem essa campanha. O combate ao preconceito não pode ser combatido/comunicado usando outros preconceitos. Acho que qualquer
brasileiro acharia isso publicidade mal feita, e dessa vez não por falta de referências culturais que a gente tenha sobre a França, e sim por causa da falta de referências que eles têm sobre o tal
do "sul".

beijos 


mariana 26/03/2010 14:25


esqueci de um detalhe: essa ong acha que no "sul" não existem sapatos, é?
Franchement! 


mariana 26/03/2010 14:24


Também achei de muito mal gosto a campanha, além de ineficiente. teria sido bem mais interessante se eles tivessem por exemplo pego uma foto fe loira bem loira la de Blumenau e escrito assim:
"alemã? Não, brasileira!" 
Além disso, esse negocio de "o sul" é o fim da picada!
Fala sério!
Mudando de assunto, como foi o TCF???
bjus!