Entre os muros da escola - Quênia (parte 2)

Publié le par alinemariane

Os nomesP1070978.JPG


Não adianta, os anglofônicos não conseguem falar Aline. Então, no Quênia, adotei Alina. Ou Aleena. Ou ainda Halyna. Conforme o gosto do tradutor. Adoro os nomes quenianos! Beautiful, Patience, Prudence, Purety... Traduções dos significados em kiswahili para o inglês. Não é fofo?!

Os uniformes

O Quênia está bem no nível do Equador, então não há estações bem definidas. O que há é a época de chuva (mas duradora que Dakar) e a época de seca. Por conta da altitude, a temperatura pode chegar a 10°. E a 35° também. No mesmo dia.

Então os alunos são obrigados a carregarem suas blusas de lã ocre, combinando com a camisa bege. Saia ou vestido xadrez para as meninas, bermudão xadrez para os meninos. Meia branca, sapato preto. Meninas que usam tranças, não podem usar enfeites de plástico. No dia da educação física, camiseta amarela e saia azul-marinho para as meninas e camiseta vermelha e bermuda azul-marinho para os meninos.

uniformeGraças ao uniforme eu conseguia diferenciar meninos e meninas. Como ambos do orfanato têm que raspar a cabeça, todos ficam com a mesma carinha redonda.

Como no Senegal, meu cabelo é a grande diversão das minhas amiguinhas pré-adolescentes:
-- Faz tempo que você não raspa a cabeça, Alina?
-- Eu nunca raspei a cabeça.
-- Uau!! Gente, a Alina nunca raspou a cabeça!!!

Os outros voluntários

Logo depois entendi porque o diretor ficou feliz que eu não tivesse nada definido e que só queria ajudar naquilo que precisassem. Três vezes em três semanas, as aulas tiveram que ser interrompidas para receber voluntários.

Além dum senhor queniano de terno que devia ser alguma coisa importante e que veio falar de HIV/Aids (volto a falar sobre isso), dois grupos de norte-americanos.

O primeiro era um grupo de jovens missionários de South Caroline. Eles chegaram agitando tudo: queriam brincar, correr, jogaram os pequenos para cima, cantaram várias musiquinhas gospel, queriam jogar alguma coisa mas não tinha bola. Passaram 2h com os alunos e voltaram para o ônibus com ar-condionado. Muita agitação e fim. Pobre de quem (professores, eu) teve que controlar a energia das crianças depois.

O outro grupo trouxe bola e passou 1h jogando futebol. Mas um chinês-canadense, depois de saber que eu estava lá ajudando no que precisava, passou a semana ajudando os professores de matemática. E virou meu amigo.

Os professores

As turmas de Baby Class e Standard 1 a 4 (5 a 10 anos) têm professores únicos, enquanto Standard 5 a 8 (11 a 14 anos) têm professores diferentes para cada disciplina, como no Brasil. Inglês, kiswahili, matemática, ciências, religião, estudos sociais e artes compõe a grade.

Manter os professores é o gteachers.jpgrande desafio nas escolas particulares de periferia no Quênia. Problema maior mesmo que a inadimplência, segundo o diretor. Nas três semanas que passei, houve duas mudanças de professor. Enquanto isso, Standard 1 e 2 ficaram na mesma sala. Ou chama a voluntária para dar aulas para o Standard 1...

Para os maiores, os professores se dividem: o professor de inglês, formado em teologia, também dá aulas de estudos sociais. A de kiswahili, que não fez faculdade, ensina religião. E o de matemática ensina também ciências, mas na verdade ele estudou administração.

O gordo aumento de salário dos professores da rede pública fez bastante barulho. Ser professor de escola pública é garantia de salário certo e crédito em banco. Com esse tal aumento, é possível até ter um único trabalho! Uau! Pelo que li e ouvi, muitas escolas foram criadas em todo o país e houve um verdadeiro boom nos concursos de professores nos últimos anos. Há projeto de uma escola em Mlolongo para o próximo ano e todos os professores do Heritage of Faith tinham isso em vista.

 

Continua...

Publié dans em português

Commenter cet article

Neide 10/08/2010 10:54



Adoro o seu blog Aline! leio sempre , mas nunca escrevo nada, hj resolvi escrever so pra te dizer isso . Ah como vc quese me formei em pedagogia...



caso me esqueçam 09/08/2010 17:11



menina, esse ultimo paragrafo eh uma surra no brasil, neh? ô realidade distante! :/


mas voce nuuunca raspou a cabeça, eline, como assim? :)