Alô? Telefone de questão pública

Publié le par alinemariane

Publico x Privado

Entre as questoes contemporâneas da pos-modernidade multifacetada polifônica (uh, essa foi direto do fundo do bau dos tempos de ECA), a que mais me intriga é a relaçao publico e privado. Seja na politica, na TV, na educaçao ou nos negocios, essa questao esta la. Reconhecer onde acaba um e começa o outro é o grande desafio.

A discussao é ainda mais interessante (eu acho!) quando tratamos de areas sensiveis como educaçao e saude, estatais, privatizaçao e interesse de mercado. Uma das questoes do momento aqui na França é a possivel privatizaçao dos correios, La Poste - a relaçao dos franceses com La Poste é um tema que merece um post. Mas nao esse post aqui, que é sobre uma outra privatizaçao, que os brasileiros conhecem muito bem, a da telefonia.

Se considerarmos como serviço essencialmente publico aquele que é um direito do cidadao, a telefonia é uma das primeiras a serem cortadas dessa lista. Especialmente numa época em que a tecnologia obriga uma velocidade e uma concorrência impensavel ao estereotipo de empresa estatal.

Historicamente, aqui na França como no Brasil, a telefonia era serviço de empresa publica e, no final dos anos 1990, tendo em vista um evidente atraso tecnologico (e financeiro, dizem) passaram por um processo de desestatizaçao - termo bem mais agradavel que privatizaçao, nao?!

Enquanto isso, no Brasil...
A minha familia foi ter um numero de telefone proprio so em 1992! E ainda éramos um dos poucos da vizinhança que tinham telefone, lembro que os vizinhos davam o numero de casa como "de recado" e às vezes tinhamos que chama-los. O tamanho da fila na frente da Telesp de SBO, para abertura de linha, era tao grande que chegou a passar na TV (ai, caipira fica tao feliz quando sua cidade passa na TV!). A privatizaçao chegou em 1998 e com ela a nossa querida Telefonica.

Na minha lista de "empresas para as quais eu NUNCA vou trabalhar" estao toda a industria de cigarro, armas, alcool e a Telefonica. A area de RP de la deve ficar com a orelha queimando todos os dias. Nao conheço ninguém que elogie os serviços da Telefonica. Quanto à pessoas que a detestam, aahh... eu mesma ja fui obrigada a ir ao Procon duas vezes contra essa empresa. Uma delas é tao engraçada que vale o causo:

<< Chega a conta telefonica do apê com varias ligaçoes para Birigui (cidade do interior paulista, perto de Araçatuba). Obviamente, nenhuma de nos tinha ligado. Comento com a porteira que sabe tudo da vida de todo mundo. "O vizinho de baixo é de Birigui!". Bato na porta do japinha estereotipo do primeiro ano da Pinheiros: "Por um acaso você conhece esse numero?" "Ah, é o numero da casa dos meus pais! E eu liguei pra eles nesses dias! E nao veio na minha conta!". Da-lhe ligar para a Telefonica. Semanas depois, passa o técnico. Ligo outra vez "Nao foi verificado nenhum problema na sua linha, senhora" "Como nao?? As ligaçoes do meu vizinho vêm na minha conta e nao ha nenhum problema na minha linha???". A inutilidade da discussao chegou no ponto da pobre atendente propor que eu conversasse com o meu vizinho e pedisse pra ele me pagar. Fala sério! Foi o que fizemos durante os três meses em que minha conta vinha recheada de ligaçoes para Birigui e a Telefonica insistia em dizer que nao tinha nenhum problema na minha linha. Ainda bem que o Procon é eficiente.>>

Depois a Telefonica criou o Speedy, que segue muito bem a linha da incompetência generalizada. Também tenho causos com eles, mas é melhor os causos publicos, como os diversos apagoes de internet que proporcionaram - presenciei um e, se nao me engano, houve mais dois.

Enfim, a desestatizaçao da telefonia abriu espaço para empresas privadas para as quais estamos habituados a exigir qualidade. O problema é que o antigo monopolio estatal as deixa despreparadas, com um grande abacaxi na mao!

Enquanto isso, na França...
Mudar de cidade nao é simples, definitivamente. Na França, pais burocratico por definiçao, é ainda mais complicado. Mas confesso que estou me divertindo com tudo isso, é no minimo interessante ver que algumas coisas seguem outra logica, mas outras sao igualzinhas.

O abacaxi da desestatizaçao da telefonia, por exemplo, se parece bastante. Com um outro gosto, é verdade, mas um problemao. Também no final dos anos 1990, a estatal France Télécom foi privatizada e abriu o capital num momento de euforia que se mostrou uma grande furada. Uma série de reestruturaçoes e fusoes seguidas por acusaçoes de ma gestao mostraram que o fundo do poço era realmente mais embaixo.

Talvez o fundo mesmo seja a incrivel marca de 25 funcionarios que se suicidaram alegando motivos relacionados ao trabalho. Parte desses deram fim aos seus dias no proprio escritorio, no auge do estresse, com historias horriveis de moça que se joga da janela e de cara que se enfia uma faca na barriga em plena reuniao. Aaaff... Olha, se eu nao gostaria de ser RP da Telefonia, eu também nao gostaria de ser RH da France Télécom...





<< O chefe da France Télécom nao gosta dessa "moda do suicidio". "Você nao tem nada mais tendência para a imagem da empresa?"











Nao muito diferente de Sao Paulo e da Telefonica, a France Télécom detém o monopolio de linhas fixas. Aqui também nao tem opçao: se quer ter telefone convencional, tem que pela tal empresa. Para colocar internet no apê de Angers (sim, porque eu vivo sem telefone e sem TV, mas sem internet NAO!) precisa ter uma linha de telefone, instalada pela France Télécom. So a instalaçao da linha, para se colocar internet de outra operadora, custa incriveis 150 euros, com prazo de inimaginaveis 60 dias. O detalhe sordido é que caso você compre o pacote internet da propria France Télécom (três euros mais caro que o concorrente e com menos opçoes), a instalaçao cai para 50 euros e o prazo é de duas semanas.

Assim fica facil ter clientes, nao? E você acha que esses clientes estao satisfeitos?!

Ah, vale dizer que a filial mais rentavel da France Telecom é exatamente a onipresente Orange no Senegal, que comentei aqui.

Publié dans em português

Commenter cet article

Maíra 26/10/2009 07:59


Angers, hein? Vai ter que acrescentar mais uma cidade no nome do blog? :-) Vou te visitar sim, hein? Viajar é comigo mesmo! Hehehehe!

beijos


Maíra 23/10/2009 03:25


Eu tenho achado os serviços de telefonia aqui na França ainda piores que no Brasil! Esse prazo louco que eles dão pra instalar o telefone é ridículo - aqui em casa foram 6 semanas de espera. Sem
contar que volta e meia a Orange me cobra errado! A France Telecom é o ó mesmo :-p

beijos


luci 22/10/2009 14:19


punk, viu! eu sempre escutei falarem mal da telefônica, eh incrivel! outro dia tava lendo um bog de um cara que posta sobre cinema, tv e tal e, de repente, um post nada a ver, fora dos padroes, soh
pra falar mal da telefonica. impressionante...


Cristiane 22/10/2009 13:13


Nossa, não sabia que na França a telefonia era assim. Nunca iria imaginar que um serviço desses seria melhor e Portugal. hehehe (ao menos temos concorrência, o q de um modo geral obriga as
empresas a melhorarem os seviços) Aqui, há alguns anos, tb só havia uma empresa pra tel, tv, internet, oriunda da antiga estatal, houve uma cisão e surgiu a primeira concorrência. De lá pra cá
foram surgindo outras com os 3 serviços ou somente com um deles. Todas elas têm os seus problemas, tem gente q sofre bastante com o serviço, eu, particularmente, não tenho muito do que reclamar...